domingo, 22 de abril de 2007

Email para deputados estaduais


Senhor (a) Deputado (a), gostaria de saber a sua opinião a respeito da produção de etanol e as possibilidades do Rio de Janeiro para tanto.


Gostaria de saber também sua opinião sobre as Escolas Estaduais em tempo integral e se já existe alguma discussão a respeito do assunto na Assembléia.


Pergunto também sobre a despoluição da Baia da Guanabara, sua opinião, o andamento dessas obras, além de cronograma. Penso que o Estado do Rio ganharia demais em turismo se tivéssemos nossa Baia despoluída.


Agradeço desde já a atenção, aguardando o retorno da mensagem, desejo uma excelente semana!


Abraço!
Marco Aurélio.
Rio,17/03/2007.


Deputado (a), reitero o email acima, do qual ainda não obtive a resposta desejada e venho propor novas questões, que seguem abaixo.


Em uma viagem recente a cidade de Miguel Pereira passei pelo Rio Guandu, que fornece boa parte da água consumida pela população do Rio de Janeiro e me estarreci com a coloração das águas. Qual a situação real deste rio? Ele encontra-se ameaçado? O que pode ser feito para melhorar sua situação? Penso que a CEDAE gastaria menos com o tratamento.


Qual a necessidade de troca dos carros utilizados pelos (as) senhores (as)? Será que o Estado não tem despesas mais urgentes, com revitalização de frotas da polícia, de secretarias ou de ambulâncias para as unidades hospitalares?


Existe algum projeto que atenda as necessidades dos policiais do Estado? Refiro-me a planos de cargos, carreira e salários, além de seguro de vida em benefícios de seus parentes. Imagino que seja necessário para essa categoria importantíssima para a população, pois se recebessem melhor e tivessem melhores condições de trabalho teriam mais tranqüilidade para desempenharem suas tarefas e desestimularia a corrupção.


Gostaria de sua opinião sobre a situação atual dos Hospitais Estaduais e quais medidas podem ser tomadas para solucionar o que há de errado.


Temos acompanhado os problemas que a empresa Barcas S.A. tem causado aos usuários de seus serviços. Barcas em péssimo estado de conservação e elevação de tarifas, particularmente para Paquetá (parece até que com isso não querem mais pobres na ilha) são constantes. Qual a sua opinião a respeito, bem como o que vem sendo feito para solucionar esses problemas?


Agradeço desde já a atenção, aguardando o retorno da mensagem, desejo uma excelente semana!


Abraço!
Marco Aurélio.Rio, 07/04/2007.

17 comentários:

Marco Aurélio disse...

Pedro Augusto retornou meu email assim:

"Amigo Marcos,


Obrigado pela sua mensagem e parabens pelo seu ato de cidadania. Quero
informá-lo que as minhas in iciativas podem ser vistas no site da
alerj,
ícone projetos de Lei e Lei, deputado Pedro Augusto, assim como as
indicações Legislativas, pedidos de obras e serviços as repartições
públicas. Sugiro, ainda, que você visite o nosso site
pedroaugusto.com.br,
onde terá mais informações sobre o nosso trabalho social.
Um grande abraço,
Dep. Pedro Augusto"

Ou seja, não respondeu minhas perguntas.

Marco Aurélio disse...

Paulo Ramos retornou assim:

"BOM DIA, MARCO AURELIO, ESTOU ENCAMINHANDO O SEU E-MAIL AO DEPUTADO
JORGE / ASSESSOR"

Quer dizer, o assessor dele né... espero que receba essa resposta dele.

Marco Aurélio disse...

Do Zito recebi:

"Marco,
estou encaminhando sua solicitação ao Deputado
Em breve encaminharei suas respostas,
Atenciosamente
Ruth Jorge
Assessora de Gabinete"

Vamos esperar...

Marco Aurélio disse...

André do PV:

"Caro Marco Aurélio,

Seu email foi repassado ao nosso deputado"

Respostas parecidas tenho recebido, não?

Marco Aurélio disse...

O deputado Luiz Paulo respondeu (de verdade):

"Caro Marco Aurelio
Vamos por parte:
Etanol - É uma questão que deva ser tratada com certa prudência .
É evidente que o etanol é uma alternativa energética ao petróleo, com
vantageens ambientais e uma oportunidade econõmica para o País. Porém
deve-se tomar cuidado, tanto com o etanol como com o biodiesel. Todas
essas
duas fontes enegéticas implicam em agricultura extensivas que ocupam
grandes extensões de terra, em desmatamento, em queimadas e de fontes
hídricas para irrigação. essas questões têm sérias implicações
econômicas,
sociais, e ambientais. Além disso, se entrarmos profunda e intesamente
nessa estratégia energética, devemos pesar as consequências que advirão
com
a viabilidade de fontes energéticas derivadas do hidrogênio, que o
avanço
tecnológico logo viabilizará.
No que diz respeito às escolas públicas em tempo integral sou
inteiramente
favorável ed efendo que se encontrem forma de viabilizar essa decisão
financeira e pedagogicamente.
O programa de Despoluição da Baía de Guanabara foi iniciado no governo
Marcello Alencar em 1995 quando como Vice Governadoe e Coordenador das
Ações de Infraestrutura dei partida no Programa. Infelizmente o
Programa
foi muito mal conduzido pelo Governador Garotinho e pelos governos
Benedita
e Rosinha. Em 1998 deixamos muitas obras concluídas e outras projetadas
e/ou contratadas, de forma a poderem ser concluídas nos prazos que
terminariam em 2003.
Como deputado da oposição vou fiscalizar para que este Programa seja
levado
a seu termo e possamos ter no futuro, uma Baía de guanabara mais limpa.
LUIZ PAULO

Repassado por Luiz Paulo/ALERJ em 19/03/2007 08:03"

Deputado, muito obrigado pela sua resposta, a PRIMEIRA que recebi!

Marco Aurélio disse...

O deputado Luiz Paulo, mais uma vez solícito, mandou-me agora um discurso que proferiu. O publico como recebi:

"Pronunciamento do Deputado Luiz Paulo – Plenário da Assembléia
Legislativa do Estado Rio de Janeiro –
ALERJ , em 22/03/2007

Educação – a importância dos orientadores tecnológicos da Secretaria de
Educação do Estado

Quero chamar a atenção sobre a questão educacional de nosso Estado.

Tenho recebido diversos e-mails de professores da Secretaria de Educação
que trabalhavam como orientadores tecnológicos.
De repente, deixaram de ser orientadores e voltaram abruptamente para a
sala de aula, como se aquela função não fosse
também uma função pedagógica.

E o diagnóstico sobre educação, entra ano, sai ano, é sempre o mesmo:
carência de equipamento, de manutenção, de
recursos humanos, elevado índice de evasão e repetência, horário de aulas
reduzido, número de vagas muito menor que
a demanda, inadequação do currículo da escola e das metodologias à
clientela e aos novos tempos. Os diagnósticos
são sempre esses.

O jornal O Globo, de 11 de março de 2007, mostrou-nos que, de 1981 a 2001,
enquanto em São Paulo e Minas Gerais
a taxa de repetência diminuiu, no Rio de Janeiro ficou constante, em torno
de 22%. Entre 1999 e 2004, período muito próximo,
houve piora nos índices de evasão e repetência, mas o Rio de Janeiro piorou
ainda mais que os outros Estados

Os professores do Estado do Rio não recebem aumento há mais de dez anos. O
currículo é pouco atraente, não utilizando
as novas ferramentas tecnológicas existentes. Dentro deste contexto,
incluem-se os orientadores tecnológicos.

Pergunto: na medida em que eles foram remanejados para serem professores de
diversas disciplinas e deixaram de ser orientadores tecnológicos, como fica
o investimento feito em equipamento e capacitação de pessoal? Perde-se? Foi
feita uma avaliação sincera, correta, do trabalho desenvolvido? Avaliou-se
o custo-benefício desse deslocamento de profissionais para outras funções,
depois de tantos anos dedicados a essa tarefa? A rede terá a carência de
docentes atenuada expressivamente? Já respondo que não, porque hoje aparece
a informação de que serão chamados mais cinco mil professores. Então, não
são os orientadores tecnológicos que vão resolver o problema da escassez de
professores.

A medida não caminha na direção oposta de todos os diagnósticos feitos em
todos os governos, de que é necessário a incorporação de novas tecnologias
ao processo educacional? E hoje não se fala em laptop, computador de mão
para os alunos? A medida não deixa os alunos cada vez mais descrentes da
escola? Não os leva mais rapidamente para as ruas? Não aumenta a evasão?


Lembro que o documento da bancada do PSDB é muito claro quanto a essa
questão. Todos somos favoráveis ao uso intensivo das ferramentas da
informática na educação e, por via de conseqüência, não podemos ser
favoráveis a que os orientadores tecnológicos sejam deslocados, sejam
abruptamente transferidos para a sala de aula.

Admiro e respeito profundamente o Secretário Maculan, que foi reitor da
Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde fiz meu curso de Engenharia e
meu mestrado em Transportes. O Estado precisa exatamente colocar cinco mil
professores para suprir a carência de professores por disciplina, mas não
pode, de jeito algum, abrir mão dos orientadores tecnológicos, para que
nossos alunos – e há muitos aqui – possam ter a ferramenta, no mínimo, da
informática a seu favor. Senão o próprio programa, em nível nacional, de
minimizar o custo dos computadores e ofertar esse excelente instrumento
para a rede pública de ensino, irá por água abaixo, num Estado importante
como o Rio de Janeiro. Vou pedir, também, uma audiência ao Secretário
Maculan."

Deputado, muito obrigado pela consideração!

Marco Aurélio disse...

Do deputado Marcelo Simão:

"Marco Aurélio,

Segue abaixo, enumeradas de acordo com as perguntas, as respostas
solicitas no seu e_mail:

1) O Estado do Rio de Janeiro, possui uma pequena área em Campos
para
o plantio da cana-de-açúcar que é a matéria prima do Etanol. O grande
produtor nacional é o Estado de São Paulo.

2) Algumas Escolas Estaduais já operam com o turno único, ou
seja,
tempo integral.

3) A despoluição da Baía de Guanabara é um projeto de alta
complexidade que vem sendo implantado aos poucos, desde o Governo
Marcelo
Alencar.


Cordialmente,
Marcelo Simão
Deputado Estadual"

Deputado, essa despoluição da Baía da Guanabara está um pouquinho demorada, não?

Muito obrigado pela sua resposta!

Briel Aitt disse...

Amigo Marcos!

MARAVILHOSA INICIATIVA!!!

IMPECAVEL!!! ESTAREI ANEXANDO ESSE BLOG AO MEU!!!!

UM ABRAÇO E PARABENS!!!

Marco Aurélio disse...

Deputado Pedro Fernandes respondeu:

"Marco Aurélio,

Obrigado por confiar em meu mandato. Assim que puder, enviarei
uma
resposta definitiva sobre os assuntos. Mas garanto que farei o que
for
possível para continuar merecedor do seu apreço.

Deputado Pedro Fernandes"

Marco Aurélio disse...

Deputado André do PV retornou com suas respostas:

"Caro Marco Aurélio,


1- Sobre a produção de etanol
O Estado do Rio tem possibilidades de produzir etanol, já que, em outras épocas era capaz. Resta saber quais são os tipos de incentivos a serem concedidos bem como o controle ambiental a ser estabelecido.

2- Despoluição da Baía de Guanabara

Sobre a Despoluição da Baía de Guanabara. A Fase 1 está em andamento. Têm entrado em operação estaçòes de tratamento, bem como ampliadas a rede de coleta. Ainda não se alcançou os números ideais na fase 1. A fase 2 chamada- Anel Sanitário- que engloba os municípios do fundo da Baía tem sua verba em Brasília ainda não liberada, dependendo de decisão política.

3- Guandú- Com a recente criação da APA do Guandú espera-se que a Bacia deste Rio seja melhor protegida. O Rio Guandú ainda não encontra-se ameaçado. A coloraçao barrenta da água muitas vezes tem origem no carreamento do material oriundo do desmatamento natural ( erosão) que ocorre nas margens.

4- Sobre as escolas. Acho uma ótima idéia. Vou enviá-la para meu assessor jurídico que poderá ver se isso pode ser aplicado

Saudações verdes,

André do PV."

Obrigado pela atenção deputado.

Marco Aurélio disse...

Do deputado Pedro Paulo:

"MARCO AURÉLIO;
1. A favor. Os agrocombustíveis, principalmente o etanol, é uma janela de oportunidades para a economia fluminense. Recursos naturais (principalmente no Norte Fluminense) e financeiros (Royalties do petróleo) não faltam;
2. Sou a favor. Entretanto, o horário integral é mais adequado para o ensino fundamental, que é responsabilidade dos municípios. Também sou a favor da municipalização das escolas de ensino fundamental que ainda estão sobre a gestão do Governo do Estado;
3. Sem dúvida. Como Presidente da Comissão de Saneamento Ambiental estaremos fiscalizando a execução dessa obra;
4. Vou checar;
5. A escolha do carro dos deputados não é uma decisão do Plenário e sim da Mesa Diretora. Sou contra a compra dos veículos. Independente da discussão do tipo do veículo, sou a favor da contratação por aluguel ou leasing. Mais barato e eficiente. Tudo por uma licitação transparente.
6. Quanto ao problema das Barcas, confesso que conheço pouco o problema, mas tenho a convicção que o Governador Sérgio Cabral e Secretário Julio Lopes darão uma resposta aos usuários.
Abraços,
PEDRO PAULO"

Deputado, muito obrigado pela resposta.

Marco Aurélio disse...

Deputado Luiz Paulo, o que mais responde, escreveu:

"Caro Marco Aurelio
Como Deputado do PSDB e independente tenho reiteradas vezes me
pronunciado
no sentido de pedir atenção e solução para as questões que você aponta.
Não
estou satisfeito com o estado precário de vários setores dos serviços
públicos do Estado.
Estou presidindo a CPI sobre a queda da receita entre 2003 e 2006 e
pretendo através deste instrumento apontar medidas que possibilitem
aumentar as receitas evitando a evasão, a sonegação e a corrupção.
Com maiores recursos financeiros e com a exigência de uma melhor
gestão,
vou como Deputado, fiscalizar se, dentro de alguns meses, a situação
dos
serviços públicos estão no caminho de uma melhora.
Tenha a certeza que no desempenho de meu mandato não darei tregua à
incompetência, omissão e à corrupção.
Vamos aguardar.

Luiz Paulo"

Muito obrigado pela atenção deputado.

Marco Aurélio disse...

Do deputado Rodrigo Dantas:

"Prezado Marco Aurélio,

Primeiramente, obrigado pela ótima participação, tenho certeza, quanto
mais cidadãos participativos como o senhor, o estado e só tenha a
melhorar
e muito. Com relação ao etanol, o Rio tem recursos naturais pata
produzi-lo
porém, não se sabe o quanto irá se produzir, lembrando que santos,
embora
tenha menos recursos naturais que o Rio para isso, também tem tal
capacidade. Participo de uma comissão para acompanhar esse processo.
Com
relação as escolas ( educação é uma das minhas principais bandeiras
junto
com desenvolvimento e meio-ambiente pois foram as áreas que eu me
preparei
e atuei a vida inteira ), existe o projeto das vilas olímpicas que são
a
viabilização da educação integral no Rio. Defendida muito por Darcy
Ribeiro, a educação integral vinha encontrando dificuldade e se tornar
viável já que todos consideram fundamental. O projeto das vilas
olímpicas
implantado pela Prefeitura do Rio através do Prefeito César Maia,
viabiliza
o conceito de educação integral pois a criança fica metade todo dia na
escola e a outra metade na vila olímpica sendo educada e socializada
através do esporte. Não vamos medir esforços para que o estado também
desenvolva esse projeto e também queremos viabilizar incentivos para
quem
for parceiro dessa ideia. Sou filho de professora e sei que educação é
fundamental!. A nossa querida Baía de Guanabara como sempre digo, é um
bem
valioso nosso que temos que preservar. O projeto de despoluição já
estão em
andamento e serei um fiscalizador para que o projeto não pare como de
outras vezes. A questão da CEDAE e da Policia é questão do poder
executivo,
cabe a mim fiscalizar e propor novas ações e pode ter certeza que farei
no
decorrer do meu mandato meu mandato. As barcas que estão em péssimo
estado
e já estamos trabalhando para, caso o responsável não resolva os
problemas
citados, seja penalizado de acordo com a lei.

Aproveito para deixar meu gabinete aberto para novas solicitações,
sugestões ou reclamações.

Grande Abraço,

Rodrigo Dantas"

Obrigado pela atenção deputado.

Marco Aurélio disse...

Discurso do deputado Luiz Paulo, que recebi:

"DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO LUIZ PAULO EM 17/04/2007


Estive, no início do mês de fevereiro, na Avenida Afrânio de Melo Franco, no coração do bairro do Leblon. Fui a uma missa na Igreja da Cruzada e, em conversa com o Padre Marcos, ele me dizia: Deputado, como é que pode ter na calçada esse gerador de energia que abastece o Scala? Aí fui olhar. Realmente, havia um monstrengo tomando conta do passeio público. Fiz um ofício à prefeitura, pois gerador de energia não pode estar no passeio público, que, como o nome diz, é para as pessoas transitarem. Eis que a prefeitura acionou o Scala e o tal monstrengo saiu do passeio público, mas não saiu para ir embora, foi para cima da marquise.

Fui ao local, fotografei e novamente mandei as fotos para a Prefeitura, porque a marquise corria o risco de quebra. Colocaram uns apoios e lá meteram o gerador de energia, como se marquise fosse lugar para ficar um gerador de energia, que pesa, pelo menos, uma tonelada. Infelizmente, caiu aquela marquise em Copacabana, vitimando pessoas. Esta foto saiu no final do mês de fevereiro, na coluna do Ancelmo Gois, com o gerador em cima da marquise, escrito lá embaixo:

Bingo Scala.
Como a situação estava mais grave ainda, fiz um requerimento de informações ao governo do Estado, pedindo que esclarecesse
diversas situações: se o imóvel situado à Afrânio de Melo Franco, 296, no Leblon, sede da casa de espetáculos Scala, era de propriedade do Estado e/ou do RioPrevidência, fornecendo o RGI do imóvel; em caso positivo, se o referido imóvel tinha sido cedido a que título, por que prazo e qual a remuneração mensal que o Estado ou o RioPrevidência recebia pela cessão;
terceiro, solicitei fosse encaminhado o termo de cessão; e quarto, a quem caberia a responsabilidade, no caso de a marquise cair e vitimar pessoas.
Para surpresa minha, e cabe aqui um elogio, o Sr. Secretário Sérgio Rui foi profundamente rápido na resposta: tudo aquilo que eu perguntei já chegou. O Scala não pagava nada desde 2001 ao RioPrevidência, que é proprietário do imóvel. São quase oito milhões de dívida. Se a marquise caísse o Estado seria co-responsável. Está publicada a resposta no Diário Oficial do Estado, e eu também a recebi e, de imediato, o Sr. Secretário Sérgio Rui encaminhou o processo à Procuradoria, pedindo a retomada do imóvel.
É um contra-senso: ontem, o governo do Estado publicou a LDO e vimos que o RioPrevidência, se não me engano só nos primeiros cinco anos, tem uma projeção de déficit na ordem de 35 bilhões e o usuário de um imóvel, no Leblon não paga desde 2001. É um grande absurdo, mas o Sr. Secretário Sérgio Rui agiu.
Isso tudo mostra, nada mais nada menos, uma desídia muito grande, histórica, que tem o RioPrevidência em relação ao seu patrimônio. Espero, pela agilidade e firmeza do Sr. Secretário Sérgio Rui, que isso termine, porque, volto a dizer, um prédio daquele tamanho, no Leblon, não pagar um real ao Estado desde 2001 é, realmente, uma negligência, no mínimo, inexplicável."

Obrigado deputado.

Marco Aurélio disse...

COMECEI ESSE ESFORÇO EM MARÇO DESTE ANO. ALGUNS RESPONDERAM NA PRIMEIRA POSTAGEM. MANDEI DE NOVO E OBTIVE MAIS ALGUMAS RESPOSTAS. TODAS AS RESPOSTAS ENVIADAS PELOS DEPUTADOS ESTADUAIS FORAM PUBLICADAS. OS DEMAIS DEVEM ESTAR OCUPADOS COM ASSUNTOS MAIS IMPORTANTES OU PESQUISANDO PARA RESPONDER NOSSAS QUESTÕES.

MAS VAMOS CONTINUAR OBSERVANDO E INTERVINDO!

Marco Aurélio disse...

Deputado Marcelo Feixo respondeu assim:

"Caro Marco Aurélio, obrigado pela correspondência.



O deputado Marcelo Freixo considera o etanol e o biodiesel
oportunidades econômicas importantes para a economia do país quando as
alternativas ao aquecimento global ganham importância, já que nossa
economia dependente tecnologicamente tanto precisa de inovações
tecnológicas que agreguem valor.

Nosso partido, o P-sol, se preocupa, no entanto, com dois aspectos.
Primeiramente, há sintomas de uma "reprimarização" de nossa pauta de
exportações. Um quarto do que vendemos hoje é complexo soja, outro um
quarto é complexo carnes, bovina e frangos; outro quarto é de minérios
e o último quarto é o complexo sucro-álcool. Repare com se tratam de
produtos muito primários, que se aproveitam de nossa água, solo e
insolação abundantes. Dizem que os EUA, no século dezenove, se
aproveitou dos excedentes agrícolas para impulsionar - financiar - seu
processo de industrialização. POis então é isso que o Brasil precisa
fazer. Caso contrário, rapidamente nossa superioridade tecnológica
atual sobre o etanol será anulada.

Marcelo Freixo também condena veementemente a declaração do Presidente
Lula chamando os usineiros de heróis, anistiando um quadro social e
trabalhista composto de enorme super-exploração dos bóias frias no
centro mesmo do etanol mais avançado que é o interior de São Paulo. A
produtividade que hoje é baseada nos salários baixíssimos tem que ser
substituída por uma produtividade baseada em tecnologia de ponta.


Numa outra oportunidade conversaremos sobre a despoluição da Baía de
Guanabara, certo? Não se acanhe de retomar essa nossa troca de
opiniões. O mandato Marcelo Freixo deseja exatamente esse diálogo com
os formadores de opinião como você. Até breve.... Setor de Educação do
Mandato Marcelo Freixo."

Obrigado deputado.

Marco Aurélio disse...
Este comentário foi removido pelo autor.